segunda-feira, 25 de maio de 2015

DIVINO ESPÍRITO SANTO DE MOJU, 261 ANOS DE FÉ

Com o tema "NA FORÇA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO, VIVAMOS A ALEGRIA DO EVANGELHO", a Paróquia de Moju celebrará 261 anos de história. Momento em que a comunidade católica imbuída de fé e cristandade, homenageia o padroeiro de todos os mojuenses.Conta a estória popular que um dia, à tardinha, quando um senhor chamado Antônio Dornelles estava na ponte de sua fazenda avistou algo brilhar à margem do Rio Moju, que lhe chamou atenção e logo, mandou um de seus escravos averiguar qual objeto produzia tal brilho. O escravo retirou então da lama um objeto dourado em forma de pomba, que logo foi identificado como a pomba do Divino Espírito Santo. Antônio Dornelas de posse da Pomba do Divino mandou confeccionar uma coroa de prata para colocar a Pomba, e erigindo uma pequena capela que logo se tornou centro de animação da fé do povo mojuense.
A festividade acontecerá no período de 17 a 23 de maio. Confira abaixo a programação:









quinta-feira, 14 de maio de 2015

Quem vai ao Pará, parou. Tomou açaí, ficou!

QUEM VAI AO PARÁ, PAROU. TOMOU AÇAÍ, FICOU"

Embora muitos acreditem que esta frase cantada no carimbó Garota do Tacacá de Pinduca tenha sido criada por ele. Ela na verdade atribuída ao padre jesuíta João Daniel (24 de julho de 1722-19 de janeiro de 1776) que atuou na Amazônia no Séc. XVIII (entre os anos de 1741-1757).
O padre João Daniel ao navegar pelo rio Moju, na década de 1740, apresenta em sua obra Tesouro Descoberto no Máximo do Rio Amazônas o que vê na paisagem, pintando uma tela com palavras; descrevendo os sítios que ficavam às margens do rio, que mais mereceriam o nome de grandes quintas: "Esmeram-se porém tanto nas suas moradias os donos destas quintas, ou sítios, que fazem uma muito alegre perspectiva [sic] aos navegantes; e com mais razão se podem chamar grandes, soberbos e magníficos palácios do que casas de campo: e em muitos tem os seus moradores boas capelas e igrejas [...]. E posto que alguns moradores tem tantos escravos, ou fâmulos, que podiam constituir uma pequena vila [...]

Fonte: http://docvirt.com